Notícias

Banca de DEFESA: RODOLFO APPOLONI CRIPPA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RODOLFO APPOLONI CRIPPA
DATA: 27/07/2023
HORA: 09:00
LOCAL: Remoto
TÍTULO:

Avaliação do potencial de sorção de corantes e metais traço em rejeito de mineração de ferro


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras-chave: Metais pesados, Sorventes, Minério de ferro, Fitotoxicidade

Key-words: Heavy metals, Sorbents, Iron ore, Phytotoxicity


PÁGINAS: 72
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Sanitária
SUBÁREA: Saneamento Ambiental
RESUMO:

Ao longo dos anos, a mineração se provou um dos setores econômicos de maior relevância à nível nacional, com destaque para o estado de Minas Gerais. Contudo, a atividade também gera impactos ambientais importantes, como a grande quantidade de rejeitos gerados, que, em sua maioria, ficam armazenados em barragens. Sem uma destinação ambiental e economicamente viáveis, torna-se necessário realizar novas construções dessas estruturas, sujeitas a acidentes, para conter novos subprodutos das atividades minerárias. Portanto, o beneficiamento do minério via seca e/ou avaliação do aproveitamento do rejeito para diferentes finalidades é uma necessidade urgente. Por exemplo, em razão das características do material, rico em oxi-hidróxidos de Fe, Al e Mn, o rejeito de mineração de ferro possui potencial de emprego na sorção de contaminantes. Assim, com a realização do presente trabalho, objetivou-se caracterizar o rejeito de minério de ferro extraído de uma mina do Quadrilátero Ferrífero e avaliar seu potencial sorvente de corantes e de metais pesados. A caracterização do rejeito abrangeu as técnicas de microscopia eletrônica de varredura (MEV), espectroscopia de raios X por energia dispersiva (EDS), difração de raio-X (DRX), análise textural e também avaliações física, química e físico-química do material. Nos ensaios com corantes, foram utilizados dois corantes, um catiônico (azul de metileno) e outro aniônico (vermelho do congo), submetidos a diversos pH, concentrações e tempos de contato. Os testes com metais contemplaram os elementos arsênio, chumbo e manganês, elementos químicos encontrados em concentrações relativamente mais elevadas em cursos d’águas próximos a importantes áreas de exploração de minério de ferro em Minas Gerais. Com base nos resultados obtidos, foi observado que o rejeito apresenta características de um material de alta massa específica, não poroso, de elevado teor de areia, heterogêneo, com predominância das frações mineralógicas hematita, magnetita e quartzo; apresenta maiores concentrações de Fe e Mn; baixa CTC e boa saturação por bases; Ponto de Carga Zero (PCZ) de 6,5; e pode ser classificação como resíduo Classe IIA (Não Perigoso e Não Inerte - NBR 10.004/2004). Com base nas características, o resíduo apresenta ser de interessante aproveitamento na produção de cimento (baixa porosidade e elevada massa específica) e uso como sorvente (presença importante de oxi-hidróxidos de Fe e Mn). Houve melhor eficiência sortiva do corante catiônico em pH alcalino (acima do PCZ), enquanto que para o corante aniônico, as eficiências foram superiores em pH ácido (abaixo do PCZ). As eficiências chegaram a 96% do azul de metileno (pH = 10 e 48 h de tempo de contato) e 94% do vermelho do congo (pH = 3 e 48 h de tempo de contato). No que diz respeito aos metais traço, a adsorção de Pb foi a maior dentre os contaminantes avaliados, obtendo eficiência máxima de 45% (pH = 6,5 e tempo de contato de 48 h), tendo 30 e 15% de remoção de As e Mn, respectivamente, nas mesmas condições. Com base nos resultados obtidos, verifica-se que o rejeito apresenta constituintes com potencial de uso na remoção de contaminantes de águas residuárias de indústrias têxteis e de efluentes que contenham metais pesados. Podendo, assim, ser melhor aproveitado, como foi o caso de outros resíduos sólidos industriais, tendo exemplo a escória de aciaria. Espera-se que o trabalho possa contribuir para o desenvolvimento de tecnologias adsorventes que possam ser inseridas na cadeia produtiva, atuando como destinação secundária de rejeitos de minério, valorizando então, o subproduto.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - RONALDO FIA (Suplente)
Externo à Instituição - RENATA PEREIRA LOPES MOREIRA - UFV (Membro)
Presidente - MATEUS PIMENTEL DE MATOS (Membro)
Externo ao Programa - LUIZ ROBERTO GUIMARAES GUILHERME - DCS/ESAL (Membro)
Externo à Instituição - IVAN CÉLIO ANDRADE RIBEIRO - UFLA (Suplente)
Interno - ANDRE GERALDO CORNELIO RIBEIRO (Membro)
Notícia cadastrada em: 18/07/2023 15:24
SIGAA | DGTI - Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação - Contatos (abre nova janela): https://ufla.br/contato | © UFLA | appserver1.srv1inst1 20/07/2024 00:38