Notícias

Banca de DEFESA: KARLA LARISSA NASCIMENTO FABIANO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: KARLA LARISSA NASCIMENTO FABIANO
DATA: 29/06/2022
HORA: 09:00
LOCAL: google meet
TÍTULO:

Efeitos da substituição do óleo de peixe por óleo de linhaça e milho em tambaqui (Colossoma macropomum) exposto ao estresse do frio.


PALAVRAS-CHAVES:

Nutrição. Estresse oxidativo. Tambaqui. Óleos vegetais. Enzimas.


PÁGINAS: 53
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Zootecnia
RESUMO:

O óleo de peixe (OP) é uma fonte cara e finita utilizada na nutrição de peixes. Existe uma necessidade em substituí-la por fontes de alimentação mais sustentáveis sem efeitos prejudiciais no crescimento e mortalidade de peixes. O tambaqui é um peixe onívoro de água doce que ocorre no rio Amazonas adaptado a temperatura mais altas da água e com baixa resistência ao frio, sendo a espécie mais produzida na região amazônica e a segunda mais produzida no Brasil. A exposição ao aumento ou queda da temperatura da água foi relatada para elevar os níveis de biomarcadores de estresse oxidativo lipídico e criou diferentes padrões de resposta de enzimas antioxidantes em peixes. O presente estudo visa esclarecer o efeito de diferentes fontes de óleos vegetais sobre o cortisol plasmático e o estado oxidativo em juvenis de tambaqui (Colossoma macropomum) sob desafio pelo frio. Três dietas foram formuladas com diferentes fontes de óleo: uma dieta com óleo de peixe (OP) e duas dietas com óleos vegetais (óleo de linhaça - OL e óleo de milho - OM). Os 180 peixes foram distribuídos aleatoriamente em 18 grupos de 10 peixes cada (peso médio inicial de 42 g) em tanques termorregulados. As dietas experimentais foram distribuídas aleatoriamente em seis grupos, e os animais foram alimentados manualmente até a saciedade visual aparente, duas vezes ao dia, durante 49 dias. No final das 7 semanas, os peixes foram contados e pesados após não terem sido alimentados durante 24 horas. Os peixes foram selecionados aleatoriamente para amostrar a homeostase (H). Depois disso, os peixes remanescentes foram mantidos em tanque por uma semana para prosseguir com o desafio pelo frio. A temperatura foi baixada de 28 ° C para 21 ° C em 40 minutos. Duas amostras experimentais foram realizadas 3 horas (3H) e 24 horas (24H) após o alcance da temperatura. Seis peixes foram coletados em três tanques às 3 horas e outros três peixes foram coletados nos outros três tanques às 24 horas após o desafio. Avaliou-se o comprimento e o peso dos animais para cálculo de fator de condição (FC). Os peixes foram dissecados para obtenção do fígado, e o índice hepatossomático (IHS) também foi calculado. Foram realizadas amostras de sangue e determinadas as atividades enzimáticas. Os óleos utilizados neste trabalho não afetaram o desempenho de crescimento, sinais patológicos e mortalidade, sugerindo que podem ser boas fontes de lipídeos nas dietas da espécie estudada. Quanto aos efeitos dietéticos da fonte de óleo sobre os parâmetros plasmáticos e morfométricos verificou-se que foram afetados pela dieta e HPD, exceto IHS, que foi alterado apenas pelo HPD. Após as 24 hrs as 3 dietas apresentaram redução do fator de condição, provavelmente em resposta ao desafio do estresse. O índice hepatossomático foi alterado pelo frio, pois o animal utilizou o glicogênio nas respostas ao estresse. E por esse motivo também o animal reduz o fator de condição. Essas alterações foram apresentadas após 24 hrs. Quanto aos efeitos da fonte de óleo da dieta sobre os marcadores antioxidantes hepáticos, verificou-se que exceto para GPX, houve uma interação significativa entre as dietas e HPD nas atividades de todas as enzimas. Esses resultados podem ter relação com o equilíbrio n-3/n-6 das dietas onde os animais ou ficaram mais vulneráveis e com o sistema imunológico e fisiológicos mais fragilizados (OM) ou apresentaram melhor resposta ao agente estressor também devido a relação n-3/n-6. (OL) Considerando se também que a redução de temperatura pode ocasionar a diminuição da atividade do organismo que pode ser intensificada caso o animal não apresente boas condições para reagir a esse estresse. Neste estudo foi verificado que o OV que apresentou melhores resultados foi o OL muito provavelmente devido ao seu equilíbrio de n-3/n-6 possibilitando ao Tambaqui um melhor desempenho e uma melhor resposta ao fator estressante.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - RENAN ROSA PAULINO - DZO/FZMV (Membro)
Presidente - PRISCILA VIEIRA E ROSA (Membro)
Externo à Instituição - LEANDRO SANTOS COSTA - UFV (Suplente)
Externo à Instituição - DIANA CARLA FERNANDES OLIVEIRA - UFLA (Membro)
Notícia cadastrada em: 21/06/2022 07:37
SIGAA | DGTI - Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação - Contatos (abre nova janela): https://ufla.br/contato | © UFLA | appserver1.srv1inst1 04/10/2022 04:40